sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Preso em casa desde o dia 20, Gustavo Ferraz do PMDB ainda está sem tornozeleira eletrônica


Preso em casa desde o dia 20, Gustavo Ferraz ainda está sem tornozeleira eletrônica
O ex-diretor da Defesa Civil de Salvador (Codesal), Gustavo Ferraz (PMDB), está em prisão domiciliar sem monitoramento eletrônico. Aliado de Geddel Vieira Lima (PMDB), suposto dono do "bunker" com R$ 51 milhões encontrados em um apartamento em Salvador, Ferraz foi liberado do presídio da Papuda, em Brasília, por decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 19 de outubro |(relembre). No dia seguinte, ele foi conduzido para Salvador. Na determinação, Fachin estabeleceu que o peemedebista, acusado de ajudar Geddel a esconder a quantia milionária, poderia voltar para sua casa, na capital baiana, mas deveria usar tornozeleira eletrônica. No entanto, a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap) afirmou ao Bahia Notícias que ainda não foi notificada da decisão, para que possa aplicar o equipamento em Ferraz. “As 300 tornozeleiras, previstas no Convênio Seap/Depen, estão disponíveis para uso. A Justiça Federal ainda não solicitou o serviço para Gustavo Ferraz, mas estamos prontos para atender à demanda”, informou a pasta em nota. Os equipamentos a que se refere a secretaria foram adquiridos com recursos de um convênio com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), após Geddel ser liberado para cumprir prisão domiciliar. À epoca, a Seap não tinha tornozeleira, deixando o ex-ministro sem monitoramento (leia aqui) por quase dois meses, até ele voltar à cadeia. O BN também procurou a Polícia Federal (PF) para saber se seria responsabilidade da corporação fornecer o aparelho. No caso da soltura de Job Brandão, assessor do deputado federal Lúcio Vieira Lima, preso por conta do mesmo caso, a Superintendência da PF na Bahia informou ao Supremo que não tinha o equipamento (veja aqui). Procurada pela reportagem nesta quinta, ao ser questionada sobre a situação de Ferraz, a assessoria disse primeiro que a responsabilidade de aplicar a tornozeleira seria da Seap, mas pediu depois que a sede em Brasília fosse procurada. Instada, a corporação empurrou a demanda para o Depen. O BN, no entanto, não conseguiu contato com o Departamento. fonte,BN

Nenhum comentário:

Postar um comentário