sexta-feira, 15 de novembro de 2019

O Dj da Bahia confirmado no maior festival de Música da Bahia



Dj Ferrary um dos melhores Dj’s do país,e confirmado para o Festival de Música de Salinas da Margarida e provavelmente abrirá o show da Anitta considerada artista internacional pelo grande sucesso alcançado no momento. O festival que será de 15 a 17 de novembro contará com presenças como Anitta, Gusttavo Lima, Psirico, Tayrone, Léo Santana, Bell Marques, Luziel, Rodriguinho, Saia Rodada, Lukase a Gustavo, Lá Fúria, Lambasaia e muito mais. 
Segundo Ferrary tocar mais mais de 60 mil pessoas é uma emoção incrível, esse é seu terceiro ano no festival e toda vez que toca o povo pede pra ele voltar.

Governo da Bahia implanta matrícula 100% online com o SAC Digital

Governo da Bahia implanta matrícula 100% online com o SAC Digital
A matrícula da rede estadual de ensino a partir de agora será realizada totalmente online, podendo ser feita por dispositivos móveis como tablets e celulares. Isto será possível graças à parceria da Secretaria da Educação do Estado (SEC) com a Secretaria da Administração do Estado (SAEB), e a Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia (PRODEB), por meio do uso do SAC Digital.

 
A plataforma, que unifica todos os serviços do Estado em um único portal, também disponibilizará, de forma rápida e fácil, o serviço da matrícula online. Basta que os estudantes, pais ou responsáveis baixem o aplicativo do SAC Digital nas lojas APP Store ou Google Play, ou façam o cadastro através do link https://www.sacdigital.ba.gov.br/.


O processo de matrícula online da rede estadual já começa na próxima segunda-feira (18) e segue até o dia 20 de novembro, com a pré-matrícula de estudantes da Educação Inclusiva. Logo em seguida, no dia 21 de novembro, começa a renovação da matrícula para os estudantes da rede estadual com frequência regular no ano de 2019, seguindo até o dia 10 de dezembro. Os estudantes já matriculados na rede estadual também poderão optar em fazer a renovação da matrícula na própria escola.

Os alunos novos, oriundos das redes municipais e privada, também poderão utilizar o SAC Digital, mas para este público, a matrícula será realizada de 21 a 28 de janeiro de 2020, de acordo com o calendário a ser divulgado pela Secretaria da Educação do Estado e que estará disponível no Portal da Educação. Os mesmos também precisarão fazer o cadastro e, após a matrícula online, terão 24 horas para apresentar a documentação necessária na escola para a qual efetuou a matrícula.

PASSO A PASSO
Para realizar o cadastro, o estudante precisa acessar o SAC Digital (portal ou aplicativo) e clicar em “Cadastre-se” no menu principal. Em seguida, é só preencher um formulário. No campo “E-mail”, é necessário informar um e-mail que o usuário costuma acessar e que lembra a senha. No final do cadastro, será necessário acessar este e-mail para ativar a conta no SAC Digital. A matrícula só poderá ser realizada mediante este cadastro.


O superintendente de Planejamento Operacional da Rede Escolar do Estado, Manoel Vicente Calazans, falou sobre a importância deste avanço tecnológico. “A tecnologia hoje é uma ferramenta que permite mais acesso à informação e a matrícula pelo SAC Digital vai facilitar ainda mais a vida dos estudantes e dos responsáveis, podendo ser feita em qualquer lugar”, afirmou Calazans.

O coordenador de Tecnologia da Informação da Superintendência da Gestão e Inovação (SGI), ligada a Secretaria da Administração do Estado da Bahia (SAEB), Anderson Barbosa, também falou sobre as vantagens da matrícula on-line e chamou a atenção para a necessidade do cadastro no SAC Digital. “A plataforma SAC Digital será um canal único de serviços entre o cidadão e o Governo da Bahia. Além disso, permitirá um melhor relacionamento com os usuários, podendo enviar notificações pelo celular. Logo, para que todas as funcionalidades sejam colocadas em prática, precisamos que os estudantes se cadastrem no sistema”, explicou.


Lídice diz que fim de registro de jornalistas vai ‘normalizar’ informações sem credibilidade


Lídice diz que fim de registro de jornalistas vai ‘normalizar’ informações sem credibilidade
A Medida Provisória 905, apresentada pelo governo Bolsonaro nesta semana, que cria o programa Verde Amarelo e acaba com a exigência de registro profissional para jornalistas, publicitários, radialistas e outros profissionais “precariza” essas atividades na avaliação da deputada federal Lídice da Mata (PSB). Para a socialista, o texto contribui para “más remunerações, piores condições de trabalho e outros aspectos negativos contra o trabalhador”.

Sob o ponto de vista da comunicação, a deputada relatora da Comissão Parlamentar Mista das Fake News no Congresso Nacional classificou o texto como “uma medida péssima”. “O bom jornalismo é aquele feito por profissionais que compreendem a sua essência e a ética e, no meu entendimento, desregulamentar a profissão é jogar essa importante ferramenta numa vala comum e abrir precedentes para ‘normalizar’ as informações sem credibilidade, aumentando espaço para a disseminação das chamadas Fake News”, analisou Lídice.

A MP revoga a obrigatoriedade de registro para atuação profissional de 14 profissões. O texto mantém o registro de classe somente para as profissões em que existem conselhos profissionais atuando (como advocacia, medicina, engenharias, serviço social, educação física, entre outros).

Também contrários a medida, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e sindicatos filiados em todo o país consideram o texto inconstitucional. No entendimento da entidade, a MP é “um passo rumo à precarização do exercício da profissão de jornalista”. Em nota, a Fenaj destacou que o jornalismo é uma atividade de natureza social ligada à concretização do direito humano à comunicação. “Na prática, sem qualquer tipo de registro de categoria, o Estado brasileiro passa a permitir, de maneira irresponsável, o exercício da profissão por pessoas não-habilitadas, prejudicando toda a sociedade”, frisa a Fenaj.

“A Fenaj denuncia que o governo de Jair Bolsonaro constrói uma narrativa, desde a posse na Presidência, para deslegitimar a atuação dos jornalistas no exercício profissional. Agora, utiliza a MP 905/19 para, mais uma vez, atacar a profissão, os jornalistas e o produto da atividade jornalística: as notícias”, diz outro trecho da nota da Federação.

Na Bahia, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado (Sinjorba) vai se mobilizar contra a MP em uma plenária agendada para a próxima terça-feira (19), no auditório da Faculdade 2 de Julho.

por Jade Coelho bn

Jogadores e técnicos sugerem punições mais graves para acabar com racismo no futebol

Jogadores e técnicos sugerem punições mais graves para acabar com racismo no futebol
No último fim de semana, os casos de racismo sofridos pelos brasileiros Taison e Dentinho na Ucrânia , e por um segurança no Mineirão enquanto trabalhava durante o clássico entre Cruzeiro e Atlético-MG, reacenderam o debate sobre o preconceito racial no futebol. Os episódios mostram que o esporte mais praticado no país é o reflexo da sociedade, e que muito ainda precisa ser feito para que casos como esses deixem de acontecer.

Atualmente, apesar de racismo ser um crime previsto em lei, não há nenhuma sanção aplicada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ou por outras federações que organizam as competições nacionais para evitar a recorrência desses atos. Campeão brasileiro pelo Bahia em 1988, João Marcelo defende que as punições precisam ser mais severas aos agressores e até aos clubes.

“A primeira coisa é prender a pessoa. Identificou a pessoa que cometeu, ou quando é uma torcida, acho que deve haver uma pena bem grave, como por exemplo o time cair de divisão. Se não houver uma punição grave, vai continuar acontecendo. A gente vem comentando isso há um bom tempo, mas nada mudou. Continua acontecendo. Virou rotina", lamentou. O ex-jogador, que teve grandes passagens pela dupla Ba-Vi, lembrou que ele mesmo foi vítima desse crime fora dos campos . "Daqui a pouco vão achar que é normal, e não é. Isso causa um dano, pois eu sofri isso dentro do Shopping Barra e até hoje não superei. Toda vez que entro no Barra é impossível não lembrar do que aconteceu. Então, acho que as punições devem acontecer com mais eficiência. Meu caso tem um ano e até hoje não foi resolvido. Vão acontecendo essas impunidades e vão deixando para lá".

João Marcelo avalia que o qu acontece dentro de campo é um reflexo do que acontece diariamente com ele e com outros negros. "O futebol é reflexo da sociedade, e da sociedade mundial, já que também acontece na Europa. Enquanto não houver uma punição ao clube, já que o torcedor representa o clube, isso não irá mudar”, disse o ex-jogador.
Foto: Gabriel Rios / Bahia Notícias 

No mês em que é celebrada a Consciência Negra, o diretor-executivo do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, Marcelo Carvalho, salientou que casos de racismo como os desta semana são recorrentes no esporte, de acordo com o levantamento feito pelo Observatório.

“Esses casos trouxeram à tona um problema antigo e recorrente no Brasil. Pelo monitoramento do Observatório, até agora em novembro, temos 43 casos de racismo no futebol brasileiro, 13 casos com atletas brasileiros no exterior, e cinco casos em torneios com supervisão da Conmebol. A única diferença é que não estava acontecendo com atletas de renome ou em jogos de grandes clubes. Mas os casos são recorrentes, e o que aconteceu no último final de semana só expôs isso”, afirmou Marcelo Carvalho.
Foto: Gabriel Rios / Bahia Notícias 

“Falta um maior entendimento dos clubes, das federações e da CBF do que é o racismo, e o problema que o racismo causa. A reação do Taison mostra bem como os gritos racistas atingem e afetam os jogadores brasileiros. O segurança do Mineirão, a reação que teve perguntando para o cara se ele era racista, também. Falta diversidade nos quadros de comando, e então não conseguem perceber o quanto isso afeta os jogadores. O código da Fifa está bem escrito, e se fosse usado de maneira correta, acho que os casos já teriam diminuído. A questão é que se escreve um código muito bom, mas não é colocado em prática. É preciso se fazer cumprir o que está no papel”, sugeriu o diretor do Observatório.

Ativo na luta contra o racismo, o ex-jogador e agora presidente da Associação dos Campeões de 88 (ACB-88) João Marcelo foi escolhido para ser o primeiro embaixador do Observatório da Discriminação Racial no Futebol: “No Brasil, a impunidade leva à continuidade dos crimes. É passível de prisão, mas nunca vi ninguém ficar preso por isso. Qualquer atitude que maltrate o ser humano, independente da cor, a pessoa tem que pagar. O rapaz foi identificado, a foto dele está lá, tem o vídeo ele falando, mas qual a punição para esse rapaz? 'Ah, está arrependido hoje, foi no momento da torcida...'. Não é justificativa usar o estádio para expressar seu ódio porque uma pessoa é diferente”.

No dia 12 de outubro ocorreu o confronto entre Fluminense e Bahia, que simbolizou o embate dos dois únicos técnicos negros na elite do futebol nacional, com Marcão e Roger Machado, respectivamente, e que entraram com uma camisa do Observatório. Após a partida, o treinador do Esquadrão de Aço comentou sobre a campanha e deu uma aula sobre o racismo.
Os treinadores participaram da campanha do Observatório | Foto: Mailson Santana / Fluminense FC

"Com relação à campanha, não deveria chamar atenção ter repercussão grande dois treinadores negros na área técnica, depois de ser protagonistas dentro do campo. Essa é a prova que existe o preconceito, porque é algo que chama atenção. À medida que a gente tenha mais de 50% da população negra e a proporcionalidade não é igual, a gente tem que refletir e se questionar. Se não há preconceito no Brasil, por que os negros têm o nível de escolaridade menor que o dos brancos? Por que a população carcerária, 70% dela é negra? Por que quem morre são os jovens negros no Brasil? Por que os menores salários, entre negros e brancos, são para os negros? Entre as mulheres negras e brancas, são para as negras? Por que que, entre as mulheres, quem mais morre são as mulheres negras? Há diversos tipos de preconceito. Nas conquistas pelas mulheres, por exemplo, hoje nós vemos mulheres no esporte, como você, mas quantas mulheres negras têm comentando esporte? Nós temos que nos perguntar. Se não há preconceito, qual a resposta? Para mim, nós vivemos um preconceito estrutural, institucionalizado", questionou Roger. 

"Quando eu respondo para as pessoas dizendo que eu não sofri preconceito diretamente, a ofensa, a injúria, ela é só o sintoma dessa grande causa social que nós temos. Porque a responsabilidade é de todos nós, mas a culpa desse atraso, depois de 388 anos de escravidão, é do Estado, porque é através dele que as políticas públicas, que nos últimos 15 anos foram instruídas, que resgataram a autoestima dessas populações, que ao longo de muitos anos tiveram negadas essas assistências básicas, elas estão sendo retiradas nesse momento. Na verdade, esses casos que vêm aumentado agora, de aumento de feminicídio, homofobia, os casos diretos de preconceito racial, é o sintoma. Porque a estrutura social, ela é racista. Ela sempre foi racista. Nós temos um sistema de crenças e regras que é estabelecido pelo poder, e o poder é o poder do Estado, é o poder das comunicações, é o poder da igreja. Quando esses poderes não enxergam ou não querem assumir que o racismo existiu e não querem fazer uma correção nesse curso, muitas vezes dizem que estamos nos vitimando, ou que há um racismo reverso", completou, à época. 

Se na elite do futebol brasileiro Marcão e Roger se destacam, o Jacuipense, que conquistou o acesso à Série C do Brasileiro nesse ano, se orgulha de ter sua comissão formada por profissionais negros. Ao Bahia Notícias, o técnico Jonílson Veloso e o técnico do Sub-23 Fábio Frubal destacaram a representatividade que o Leão do Sisal proporciona.
Foto: Divulgação / Jacuipense 

“Acredito que o Jacuipense seja um clube com uma representação muito forte. Não só eu e o auxiliar-técnico [Frubal], mas também temos o preparador físico, treinador de goleiros, massagistas e fisioterapeuta, todos são negros. A gente até brincava e falava que era a comissão mais negra de todo o Brasil. Enfrentavámos várias equipes e não víamos isso. A gente se prepara para isso, e os resultados vêm dando conta, mostrando a nossa competência. Os negros são capazes de comandar uma equipe de futebol. A gente sabe que ainda falta muito. Você tem que ir sempre com trabalho e sua competência, mostrando que é capaz, vencendo a desconfiança”, salientou Jonílson.

“Temos profissionais negros capacitados, mas prefiro não acreditar que as oportunidades sejam negadas por questões raciais. Acredito muito na força do trabalho e principalmente na capacitação. Temos ótimos exemplos no estado de profissionais negros de sucesso. O Jacuipense conquistou o acesso à série C, capitaneada por Jonílson Veloso, treinador extremamente competente e com uma comissão formada em sua totalidade por negros”, complementou.  

Frubal ainda afirmou que o futebol pode ajudar no combate ao racismo, já que os episódios acabam expostos na mídia: “O racismo existe em todos os âmbitos, milhares de pessoas anônimas sofrem injúria racial diariamente, a grande diferença é que pelo espaço na mídia, quando acontece no futebol, o assunto ganha força e a gente tem a chance de expor e discutir abertamente o tema. É necessário que se mexa na paixão do torcedor através de multas, jogos com portões fechados, perda de pontos, rebaixamento e principalmente a identificação do torcedor que cometeu a injúria. Se eu amo meu clube, eu vou identificar as pessoas que estão prejudicando o seu crescimento”.

Um dos principais jogadores baianos da atualidade, Anderson Talisca afirmou que nunca sofreu racismo, mas salientou que se sente ofendido quando acontece com um companheiro.
Talisca em ação no futebol chinês | Foto: Divulgação 

“Inacreditável que ainda passemos por isso nos dias de hoje. Graças a Deus nunca sofri diretamente, mas amigos de time sim. Me sinto tão ofendido quanto eles, e sei que sou igual a todos, por isso a minha cobrança existe no sentido técnico, e não com relação à minha cor ou à dos meus colegas de profissão”, contou Talisca.

Com uma bela história no futebol baiano, principalmente nos clubes do interior, o goleiro Jair comentou o caso. Questionado se ele se sente mais pressionado no futebol por ser negro, o arqueiro admitiu que sim.

“Nós negros sempre somos mais cobrados em qualquer profissão, e comigo não é e nunca será diferente, ainda mais no futebol, que tem muita visibilidade. Eu sempre dou o meu melhor, por mim, pelo meu clube, por minha família, pelo meu trabalho e não apenas por minha cor. Já fui vítima de racismo durante meu trabalho, acredito que isso tenha acontecido por eu estar tendo uma boa atuação em campo, e a torcida adversária por não aceitar acaba tentando desequilibrar o nosso emocional com xingamentos e palavras preconceituosas. Fiquei triste, ninguém quer passar por essa situação”, lamentou Jair.


por Gabriel Rios bn

Queda de Evo é 'meia-felicidade', diz filha de senador que fugiu para o Brasil


Queda de Evo é 'meia-felicidade', diz filha de senador que fugiu para o Brasil
Para uma das filhas do ex-senador boliviano Roger Pinto Molina (1960-2017), a advogada Denise Pinto Bardales, 29, a queda do agora ex-presidente Evo Morales é uma “meia-felicidade” e tem “sabor amargo”.

Opositor de Evo, Molina foi trazido ao Brasil às escondidas em 2013 por um diplomata brasileiro e acabou morrendo em Brasília, quatro anos depois, em decorrência de um desastre em uma aeronave experimental.

Denise é uma das 12 parentes de Molina que residem desde 2012 no Brasil na condição de refugiados, residentes ou já nascidos no país. Vivem com ela, todos em Epitaciolândia, no Acre, sua mãe Blanca, 59, duas irmãs e sobrinhos.

“A gente está feliz por todas as famílias [refugiadas] que vão poder se reencontrar. Mas a gente fica muito triste porque meu pai foi embora e não conseguiu, em primeiro lugar, limpar o nome dele, porque não é nenhum bandido ou corrupto, foi o governo que o perseguiu. E principalmente porque era o maior sonho dele conseguir regressar à sua terra. Ele ficou muito anos sem rever amigos, parentes, gente que até morreu. Para nós, é doloroso pensar que só faltavam dois anos para ele conseguir voltar.”

Em 2018, Denise conseguiu levar as cinzas do pai para um cemitério na cidade boliviana de Cobija. Na lápide, a família mandou escrever: “Morreu no exílio... livre”.

Segundo Denise, vivem hoje em vários países cerca de 1,3 mil bolivianos considerados refugiados por algum tipo de perseguição política movida durante a gestão de Evo Morales. Ela disse que grande parte vive no Brasil e muitos agora falam em voltar à Bolívia.

O caso de Molina teve grande repercussão no Brasil em razão do modo pelo qual ele entrou no país. Crítico de Evo no Parlamento, ex-governador de Pando e senador por um partido conservador, Molina afirmou ser vítima de perseguição política.

A princípio, em 2012, refugiou-se na embaixada do Brasil em La Paz. Ao mesmo tempo, suas três filhas e sua mulher rumaram para o Acre.

O plano era conseguir rapidamente um asilo político do governo brasileiro para se mudar e viver no Brasil. A espera, contudo, durou mais de 15 meses sem resposta.

Cansado de aguardar uma definição do governo Dilma Rousseff (2011-2016), o diplomata Eduardo Saboia e dois militares brasileiros colocaram Molina num carro e depois num avião até chegar a Brasília, em uma fuga sigilosa que durou um dia e meio.

A crise gerada pela viagem culminou na destituição do então chanceler brasileiro, Antonio Patriota.

Em Brasília, Molina se estabeleceu e passou a ter aulas de aviação. Em 2017, uma aeronave experimental, semelhante a um ultraleve, que ele pilotava caiu em Luziânia (GO). O ex-senador foi internado com múltiplos ferimentos num hospital em Brasília, mas morreu quatro dias depois.

A trágica história de Molina é pontuada por outro desastre de avião. Ele era sogro de Miguel Quiróga, o piloto do avião que caiu na Colômbia com a delegação do time de futebol Chapecoense em novembro de 2016.

Segundo a família do ex-senador, quando Evo chegou à Presidência, em 2006, mantinha uma boa relação com Molina. Ambos haviam sido deputados federais e até jogado futebol juntos. Com o passar do tempo, contudo, entraram em rota de colisão.

Numa entrevista à Folha de S.Paulo, em 2013, Molina disse que o seu “linchamento político” começou a partir da influência de Cuba e Venezuela em assuntos internos da Bolívia.

O então senador foi acusado de cumplicidade em um massacre de camponeses. Molina, que sempre disse ser inocente, foi alvo de 22 processos sob várias acusações. Disse ter recebido ameaças de morte.

Com Molina refugiado na embaixada brasileira, houve ameaças contra outros membros da família, incluindo Denise, que também passou a ser acusada.

“Tinha contra mim um processo penal porque supostamente eu tinha tentado assassinar alguém do governo. Eu, com 22 anos, tinha tentado assassinar alguém. Era uma perseguição penal. Eles iam à minha casa, deixavam intimação, eu tinha que me apresentar à polícia. Eu estudava na faculdade e sempre tinha um carro preto me seguindo. Teve dias em que eu fui dormir na embaixada com meu pai porque tinha medo. Nós não tínhamos dinheiro para pagar segurança privada”, disse Denise.

As perseguições, segundo Denise, continuaram mesmo após a morte de Molina.

“Eles sentenciaram meu pai a cinco anos de cadeia mesmo ele estando morto. Se você cometeu um crime penal, os parentes não podem herdar isso. Mas eles sentenciaram meu pai, ele estando morto, e ‘passaram’ a pena para a gente. Eles estão cobrando US$ 13 milhões da nossa família. São coisas absurdas. A gente acha que é porque eles não queriam que a gente tivesse algum tipo de carreira política lá na Bolívia. Então todos os processos contra meu pai foram ‘passados’ para nós.”

A queda do veículo que levou à morte de Molina também continua um mistério para a família.

Extra-oficialmente, segundo Denise, eles receberam a informação de que houve um problema no “difusor de combustível” do aparelho e que o caso continua sendo investigado pela Polícia Federal, mas nunca puderam ter acesso a algum relatório oficial.

A reportagem confirmou que no registro oficial das investigações da FAB o caso continua em andamento.

Denise disse que acompanha todo o noticiário sobre o que se passa na Bolívia. Ela reconhece que houve manifestações que lhe desagradaram, como a retirada, por policiais, da Whipala em seus uniformes, a bandeira que representa o movimento indígena na Bolívia.

Mas diz que os líderes do movimento já se manifestaram oficialmente contra o racismo e as manifestações anti-indígenas.

“Eu acho que é um momento-chave para que todos os bolivianos consigam se reconciliar. Eu sinto, independentemente de toda a perseguição que minha família teve, que o MAS [Movimento para o Socialismo, partido de Evo] veio com muito ressentimento, ele fez uma separação na Bolívia muito criminosa. É um momento agora em que todo mundo está tentando se reconciliar”, diz a advogada.



por Rubens Valente | Folhapress

Após briga, prefeito e ex-prefeito de Salinas das Margaridas vão parar na delegacia


O ex-prefeito de Salinas das Margaridas, Jorge Antônio Castellucci, e o atual gestor, Wilson Pedreira, foram parar na delegacia, após os dois se desentenderam durante uma visita do Ministério Público da Bahia (MP-BA) para conferir a situação dos equipamentos públicos da cidade.
Ao BNews, o ex-prefeito contou que tem observado, desde 2017, quando o mandato do colega teve início, que as obras deixadas por ele no município não receberam reparos, tendo se deteriorado. “Inauguramos uma praça, quadra poliesportiva, uma unidade básica de saúde, mas tudo se acabou por omissão do prefeito, que construiu outros equipamentos, mas não reformou os antigos”, disse.
Ainda de acordo com Jorge Antônio, os fatos foram levados ao MP-BA, por suspeita de crime de improbidade administrativa, que iniciou uma investigação. A promotora Thelma Leal de Oliveira visitou nesta quarta-feira (13) a cidade, na presença tanto do ex quanto do atual gestor, que acabaram trocando ofensas.
“Durante a visita à Unidade Básica de Saúde, eu comecei a tirar fotos do local, porque tenho feito isso para mostrar a situação de descaso. Quando eu comecei a filmar, o prefeito começou a me chamar de ladrão e partiu para cima de mim, com murros, tudo isso na frente da promotora e dos policiais que acompanharam a visita”, relatou Jorge.
O ex-prefeito também disse que, mesmo após ser afastado, Wilson Pedreira, que estava acompanhado de um dos filhos, continuou a proferir xingamentos. “Isso é crime contra a minha honra”. Os dois saíram da UBS e foram até a quadra, onde a briga permaneceu, segundo Jorge Antônio. 
“Foi lá que ele me ameaçou de morte e disse que, se eu pisasse no hotel dele, iria direto para o cemitério”, contou. O ex-gestor afirmou que, logo após terminarem a visita, se dirigiu à delegacia do município, mas, ao chegar lá, encontrou o prefeito, que estava prestando queixa-crime contra ele.
“Ele sabia que eu iria denunciar e se antecipou, foi antes para me denunciar e dizer que foi agredido”, disse. No entanto, o ex-gestor disse ao BNews que, mesmo na delegacia, na presença de policiais e autoridades, Wilson perdeu a cabeça e partiu para a agressão verbal, ameaçando, novamente, ele de morte.
“Eu registrei boletim de ocorrência e fiz questão que a ameaça constasse. Temos eleições no ano que vem e ele pode querer me tirar da disputa. Eu não tenho medo de morrer, mas amo a vida, minha família e meus amigos”, declarou. O ex-prefeito disse ao BNews que registrou em vídeos todas as agressões sofridas, mas ainda não pode divulgar as imagens, a pedido do Ministério Público. BOCÃO NEWS/ portal jaguaripe

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

Avião que caiu em Maraú decolou de Jundiaí, em São Paulo

Avião que caiu em Maraú decolou de Jundiaí, em São Paulo
Foto: Reprodução

O avião de propriedade do banqueiro João Abdalla que caiu nesta quinta-feira (14), no distrito de Barra Grande, em Maraú, decolou do aeródromo de Jundiaí, no estado de São Paulo em direção à cidade onde aconteceu o acidente aéreo. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos confirmou a informação (Cenipa).

Ao Bahia Notícias, o Cenipa, que é um órgão da Força Aérea Nacional, investigadores do Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa II)  irão se deslocar até o local para realizar a "Ação Inicial da ocorrência envolvendo a aeronave de matrícula PT-LTJ".

O procedimento tem o objetivo de coletar dados como fotos, partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de possíveis testemunhas do fato.



BN

SAJ participa de encontro de Dirigentes Municipais de Educação em Castro Alves

FOTOS: Criativa Online


Nesta quinta-feira (14), Santo Antônio de Jesus foi representada pela Secretária de Educação, Cinthia Souza e equipe durante encontro da UNDIME na cidade de Castro Alves, que reuniu Dirigentes Municipais de Educação do Território de Identidade do Recôncavo Baiano.

O objetivo do evento foi discutir pautas voltadas às Jornadas Pedagógicas 2020, que acontecem no início do ano letivo em todos os municípios da região. Cinthia Souza, que também é Diretora UNDIME no Território, afirmou que os encontros territoriais são extremamente importantes para fortalecimento da educação no território e em especial, no mês de novembro, pensar a construção do currículo do Recôncavo, aproximando identidades e pensando soluções para desafios comuns.

O encontro também discutiu propostas relacionadas a Educação de Jovens e Adultos – EJA com participação do SENAI e ações das Secretarias Municipais de Educação junto aos Conselhos Municipais de Educação.

FOTOS: Criativa Online



Ascom Prefeitura SAJ

Proposta de Bolsonaro desobriga poder público de construir escolas

Proposta de Bolsonaro desobriga poder público de construir escolas
Foto: Câmara dos Deputados

A proposta apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro desobriga o poder público de expandir sua rede de escolas em regiões com carência de vagas para alunos, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo.

Em outro ponto do texto, é revogado um trecho da Constituição que estabelece como função do Orçamento a redução das desigualdades regionais. Esse objetivo é mantido na Constituição como “fundamental”, mas é retirado o instrumento que trata especificamente do direcionamento de recursos públicos para essa finalidade.

As duas alterações foram incorporadas à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo. O texto trata da reestruturação do Estado e da redistribuição de recursos entre União.


BN

Rui Costa minimiza tom do discurso de Lula e nega mal-estar com ex-presidente

Rui Costa minimiza tom do discurso de Lula e nega mal-estar com ex-presidente 
Foto: Divulgação

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), minimizou, nesta quinta-feira (14), o duro discurso que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez após deixar a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. O baiano também negou qualquer mal-estar com o ex-chefe do Palácio do Planalto. 

"Eu acho que foi um discurso dentro do contexto da saída de quem passou mais de 580 dias preso injustamente. Com o passar dos dias, o presidente, como sempre fez, por natureza, [...] vai conciliar. Acho que ele vai procurar conciliar o Brasil consigo mesmo", declarou Rui, antes de uma reunião da Executiva nacional do PT, com a presença do ex-presidente.

Após deixar a prisão, Lula criticou o governo Bolsonaro (PSL) e chegou a chamar o ministro da Justiça, Sérgio Moro, de "canalha". Ainda entrevista à imprensa, Rui negou que tenha mal-estar com Lula após as declarações polêmicas à revista Veja. 

"Eu nunca tive arestas com o presidente Lula", pontuou. "É normal [embates dentro do PT]. É normal para o mundo petista. O PT sempre se caracterizou por debates duros, às vezes.  [...] O PT nunca terá a paz de cemitérios", acrescentou. 

ELEIÇÃO 2020
O governador afirmou que a eleição de 2020 deve começar a ser discutida "a partir de janeiro". O Bahia Notícias mostrou que Rui pretende deixar os aliados em "banho-maria" sobre o tema. "Ano que vem, a partir de janeiro, [a gente discute] as eleições municipais. Tem muita água para passar debaixo da ponte", pontuou. 



BN

Porto Seguro: Baleia com óleo aparece morta; substância não é petróleo de praias

Porto Seguro: Baleia com óleo aparece morta; substância não é petróleo de praias
Foto: Divulgação / Projeto Baleia Jubarte

Uma baleia cachalote foi encontrada encalhada na localidade de Aldeia Velha, em Porto Seguro, na Costa do Descobrimento, na noite desta quarta-feira (13). Uma equipe do Projeto Baleia Jubarte, que monitora baleias no litoral baiano, trabalha no desencalhe do animal na manhã desta quinta (14).

Segundo Hernani Ramos, médico veterinário do Projeto Baleia Jubarte, o óleo impregnado no corpo do animal não é a mesma substância que tem afetado praias do estado e do Nordeste. “A princípio, não tem relação nenhuma com o óleo que está chegando nas praias. O pessoal confunde. A baleia é oleosa e solta gordura”, explica Ramos.

A baleia encontrada em Aldeia Velha antes encalhou em um recife em Corumbau, no município de Prado, no extremo sul baiano. Hernani Ramos diz que a maré alta de lua cheia e o movimento das correntes marítimas fizeram o animal chegar até Aldeia Velha.

O Projeto Baleia Jubarte tem um telefone [73 9 8802 1874] para informações de casos de encalhes de animais como baleias e golfinhos. Em caso de os moradores se depararem com animais encalhados, a recomendação é de que ele não seja tocado sob risco de contaminação. O projeto também pede que os casos sejam relatados à própria entidade bem como às secretarias de Meio Ambiente ou prefeituras municipais.


BN

Celulares pré-pagos com cadastros desatualizados serão bloqueados na Bahia e 16 estados

Celulares pré-pagos com cadastros desatualizados serão bloqueados na Bahia e 16 estados
Na próxima segunda-feira (18), os titulares de linhas móveis pré-pagas que não atualizaram seus cadastros após terem recebido notificação das prestadoras terão as linhas bloqueadas na Bahia e em mais 16 estados.

A medida vale além da Bahia para consumidores de Alagoas, Amazonas, Amapá, Ceará, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul,  Rio de Janeiro, Roraima, Sergipe e São Paulo. Menos de 1% dos 91 milhões de celulares pré-pagos dessas regiões apresenta alguma pendência cadastral.

Esta é última fase da campanha de comunicação aos consumidores com cadastros desatualizados, realizada pelas prestadoras Algar, Claro, Oi, Sercomtel, Tim e Vivo, dentro do Projeto Cadastro Pré-Pago, acompanhado pela Anatel. O objetivo da iniciativa é garantir uma base cadastral correta e atualizada, a fim de evitar a ocorrência de fraudes de subscrição (linhas associadas indevidamente a CPFs) e, dessa forma, ampliar a segurança dos consumidores.

A terceira fase da primeira etapa termina no dia 18 de novembro e alcança os demais estados do Brasil. Segunda e terceira etapas. Em 2020, serão iniciadas a segunda e a terceira etapas do Projeto Cadastro Pré-Pago. Além da disponibilização, prevista para o dia 6 de janeiro, de um Portal de Consulta de Linhas por CPF (em construção), serão realizadas outras medidas para melhoria dos procedimentos de habilitação de novos chips.

Como atualizar o cadastro. Quem tiver a linha pré-paga bloqueada poderá proceder à atualização dos dados cadastrais junto à sua prestadora por meio dos canais de atendimento disponíveis, como call center e espaço reservado ao consumidor na internet. Nesse contato, devem ser informados o nome completo e o endereço com o número do CEP. 

No caso de pessoa física, é necessário informar o número do CPF e, para pessoa jurídica, o CNPJ. Também poderão ser solicitadas informações adicionais de validação do cadastro.

Para garantir que o SMS de solicitação de recadastramento recebido foi, de fato, encaminhado pela prestadora contratada, o consumidor pode conferir os números utilizados pelas prestadoras para envio destas mensagens na página Cadastro Pré-Pago, no portal da Anatel na internet.

Lula chega ao Palácio de Ondina para jantar com governadores petistas do Nordeste

Lula chega ao Palácio de Ondina para jantar com governadores petistas do Nordeste
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou ao Palácio de Ondina, casa do governador Rui Costa (PT). Antes dele, ainda chegou o senador Jaques Wagner. Um aparato de segurança rigoroso foi montado no percurso.

Quatro veículos ficaram responsáveis pela escolta de Lula, além de uma van. O ex-presidente deu entrada no portão principal da casa do governador por volta das 21h15.

No local, além de Wagner e Rui, o ex-presidente encontra os governadores de Piauí e Rio Grande do Norte, Wellington Dias e Fatima Bezerra, respectivamente. 

por Lucas Arraz / Matheus CaldasFoto: Lucas Arraz / Bahia Notícias
Veja o vídeo:


SALVADOR: De olho na prefeitura, Geraldo Jr. é campeão em propostas de título de cidadão em 2019

De olho na prefeitura, Geraldo Jr. é campeão em propostas de título de cidadão em 2019

De olho na prefeitura de Salvador, pela qual já demonstrou desejo publicamente, o presidente da Câmara Municipal, Geraldo Junior (SD), é campeão em proposições de títulos de Cidadão de Salvador a personalidades em 2019, conforme levantamento feito pelo Bahia Notícias.

Geraldinho já propôs sete homenagens este ano, incluindo desembargador do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) Raimundo Sérgio Sales Cafezeiro e ao subsecretário da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP-BA), Ary Pereira de Oliveira. 

Atrás do presidente da Casa está uma tropa de cinco vereadores – cada um com duas propostas. São eles: Marcos Mendes (PSOL), Marcelle Moraes (sem partido), Lorena Brandão (PSC), Atanazio Julio (PSDB) e Isnard Araújo (PHS).

Orlando Palhinha (DEM), Trindade (sem partido), Duda Sanches (DEM), Pedro Godinho (MDB), Paulo Magalhães Junior (PV), Toinho Carolino (PODE), Carlos Muniz (sem partido), Sidninho (PODE), Henrique Carballal (PV), Cezar Leite (PSDB) e Luiz Carlos (PRB) propuseram homanenagem uma pessoa até novembro de 2019.


por João Brandão bn

Lauro: Pré-candidato, dono do Atakarejo pode ser investigado por campanha antecipada




Pré-candidato para a prefeitura de Lauro de Freitas nas eleições municipais de 2020, Teobaldo Costa, proprietário da rede de supermercados Atakarejo, pode estar cometendo irregularidades. Isso porque, segundo denúncias de moradores, panfletos com seu nome e do companheiro de chapa, Mateus Reis, estariam sendo distribuídos em localidades da cidade.

Se apresentando enquanto possuidor de "uma linda história de humildade, trabalho e superação" e enumerando propostas como "investimento em educação de tempo integral", "aceleração na marcação de exames e consultas" e o "apoio para o pequeno empreendedor", os materiais podem se enquadrar, segundo o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), como uma campanha eleitoral antecipada. A infração, se constatada, poderá render ao empresário o pagamento de multa.

A promotora de Justiça Eleitoral de Lauro de Freitas, Patrícia Peixoto de Mattos, explicou que os fatos, no entanto, não revelam crime eleitoral. Ela informou que uma investigação será instaurada contra o pré-candidato para apurar o conteúdo do material, bem como "quem foi o responsável pela elaboração do mesmo, se o suposto candidato teria prévio conhecimento e se o material pode ser considerado como pedido explícito de voto".

"A simples apresentação do indivíduo como candidato ao cargo eletivo não é vedada por lei. Aos possíveis candidatos é permita a sua apresentação como pré-candidato, inclusive sendo-lhe permitido conceder entrevistas. O que a lei veda é a sua apresentação acompanhada de pedido de voto ao eleitor fora do prazo permitido pela legislação competente", completou a promotora.

Veja o material:


por Jade Coelho / Bruno Leite
Foto: Reprodução / Leitor BN

Foto: Reprodução / Leitor BN

Dois morrem em protestos um dia após Añez se declarar presidente da Bolívia

Dois morrem em protestos um dia após Añez se declarar presidente da Bolívia
Um dia após se declarar presidente interina da Bolívia, a senadora Jeanine Añez recebeu no Palácio Quemado, sede do governo, o alto comando militar e da polícia do país. Ela formalizou a troca do comandante do Exército e discutiu com os militares medidas para combater os protestos que incendeiam o país --as propostas, no entanto, não foram divulgadas.

Nas ruas, um homem de 20 anos morreu em Montero, no departamento de Santa Cruz, num confronto entre apoiadores do ex-presidente Evo Morales e membros do Comitê Cívico antigovernamental da cidade.

Outro jovem, também de 20 anos, morreu em Yapacaní, a cerca de 75 km de Montero. Ele foi baleado na cabeça quando manifestantes pró-Evo entraram em conflito com policiais. Desde o início dos atos, já foram registradas nove mortes.

Em uma cerimônia ainda pela manhã, Añez empossou o novo comandante do Exército, Carlos Orellana Centellas. Ele substitui o general Williams Kaliman, nomeado por Evo e que tinha feito pronunciamento na televisão sugerindo a renúncia do ex-presidente.

Ela afirmou que a ocasião era "oportuna para chamar a calma de toda a população boliviana". "Peço que abandonem as atitudes intransigentes."

Centellas também pediu calma. "Somos irmãos. Informe à Bolívia que as Forças Armadas estarão sempre ao lado do povo."

Uma fotografia divulgada pelo senador Oscar Ortiz Antelo em uma rede social mostra um militar ajeitando a faixa presidencial utilizada pela senadora de oposição.

Em uma entrevista para jornalistas logo em seguida, Añez disse que quer fortalecer as polícias, "que nos demonstraram nestes dias, com o Exército, que trabalhando de maneira conjunta nos dão bons resultados". Ela acrescentou que "a única coisa que os bolivianos querem é viver em paz".

Enquanto a presidente interina se reunia com os militares, grupos de apoiadores de Evo se preparavam na cidade de El Alto para descer à capital e pedir sua renúncia. Eles consideram ilegítimo o modo como ela chegou ao posto, sem ter atingido quórum para votações do parlamento.

Após a sessão que em se autoproclamou no poder, ela caminhou até a sede do Executivo, em La Paz, e disse que "a Bíblia voltou ao palácio [presidencial]". Evo renunciou à Presidência no domingo (10), depois de 13 anos no cargo, pressionado pela oposição e pelas Forças Armadas.

Na entrevista coletiva, Añez disse que haverá "um processo eleitoral limpo e todos os cidadãos que cumpram os requisitos poderão participar". Também afirmou que se esforçará para trazer do exterior "irmãos bolivianos que estão no exílio por conta do governo anterior".

Depois de se declarar presidente interina, Añez excluiu uma mensagem racista publicada em sua conta no Twitter. No texto, ela criticava o Ano-Novo aymara, etnia que classificou como "satânica", porque "a Deus ninguém o substitui".

Em uma mensagem mais recente, ela lamenta a soltura do ex-presidente Lula. "Uma pena que eles gostem de ladrões!!!", escreveu no sábado (9), um dia após a saída do brasileiro da prisão em Curitiba.

Nesta quarta, La Paz foi palco de confrontos violentos entre as forças de segurança e apoiadores de Evo.

Polícia e membros do Exército lançaram bombas de gás lacrimogêneo enquanto um blindado percorria o perímetro da praça de San Francisco, sem efetuar disparos.

Muitos dos manifestantes vieram de El Alto, carregando bandeiras dos vários grupos indígenas presentes no país. 

A praça Murillo, onde fica a sede do governo foi cercada por policiais e soldados do Exército. Os manifestantes gritavam "renuncie" para a nova mandatária.

Numa rede social, Evo Morales escreveu que legisladores foram "brutalmente reprimidos e impedidos" de entrar na Assembleia Nacional. "O golpe racista e facista se afunda na ilegalidade."

Entre eles estava Adriana Salvatierra, que foi líder do Senado até renunciar publicamente no sábado, junto com outros membros de seu partido. Ela afirmou a repórteres que sua carta de renúncia não havia sido apresentada à Casa, e que, por isso, continuava no cargo. "Ainda sou senadora."

Em outras partes do país, outros grupos começaram a se mobilizar, incluindo o dos produtores de coca do Chapare, de onde veio Evo. 

O líder local, Andrónico Rodríguez, publicou um vídeo nas redes sociais afirmando que seu grupo se declara "em mobilização nacional contra o golpe de Estado. Rejeitamos a autoproclamação da senhora Añez, que foi inconstitucional".

Em sua primeira entrevista coletiva desde que chegou ao México, onde recebeu asilo político, o ex-presidente disse que está disposto a voltar à Bolívia para pacificar seu país, "se meu povo pedir". "Vamos voltar cedo ou tarde. Quanto antes melhor para pacificar a Bolívia."

Ao jornal El País, disse que estaria disposto a abrir mão de se candidatar para por fim à onda de violência. 

Em reação ao movimento de Añez, a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, defendeu a posse da senadora para "evitar o vazio de poder" e "convocar novas eleições" após a renúncia de Evo.

"A União Europeia apoia uma solução institucional que permita que um governo interino prepare novas eleições", disse durante uma sessão do Parlamento Europeu. 

A maioria dos parlamentares deu seu aval ao pedido de novas eleições e ao envio de uma missão eleitoral da UE, mas não houve consenso quanto aos responsáveis pela crise boliviana. 

A chancelaria do Reino Unido reconheceu o que chamou de "governo interino" de Añez. "Eleições livres e justas reconstruirão a confiança do povo boliviano na democracia", afirmou o órgão em um comunicado.

O Brasil e os EUA reconheceram Añez como presidente interina. Já a Argentina, segundo informação de um alto oficial do governo ao jornal Clarín, não a reconhece no cargo por enquanto.


por Sylvia Colombo | Folhapress